Quadro Negro investiga onde foi parar o dinheiro desviado pela Valor | Fábio Campana

Quadro Negro investiga onde foi parar o dinheiro desviado pela Valor

O empreiteiro Eduardo Lopes de Souza disse ao Ministério Público que todo o dinheiro que surrupiou na falcatrua da construção de escolas, entregou a Maurício Fanini, ex-diretor da Secretaria de Educação, responsável pelos desvios e que, segundo o empreiteiro, redistribuía os valores que ele repassava. Mentira. As investigações estão a mostrar que o dinheiro desviado da construção das escolas se transformou em bens do próprio Lopes de Souza.

Ora, pois, o dinheiro desviado ficava, em boa parte, com o próprio empreiteiro, e a outra, com Fanini, seu comparsa na safadeza. Nessa linha de investigação, na segunda fase da Operação Quadro Negro, a Polícia apreendeu bens da empreiteira Valor e de Eduardo Lopes, o chefe da organização criminosa. Entre os bens já tomados pela Operação Quadro Negro, há um apartamento em Balneário Camboriú, na Avenida Atlântica, avaliado em mais de R$ 5 milhões, e um flat em Salvador. E dinheiro estocado em contas de pessoas relacionadas a Lopes de Souza.

Além disso, a Justiça do Paraná determinou a apreensão de nove veículos, todos de luxo, avaliados em mais de R$ 3 milhões, adquiridos por Eduardo Lopes de Souza com o dinheiro desviado das obras das escolas públicas no Paraná. Entre os veículos estavam um Porsche Cupê 911 turbo 2015, no valor de mais de R$ 1 milhão. Na lista, uma Land Rover Discovery, Audi RS6 Avant, Mercedes Benz, Audi SQ5, Audi RSQ3, BMW X6, Jeep Cherokee e Camaro.

O empreiteiro tentou simular vendas e transferências para não perder os bens. “Durante a investigação, percebemos que algumas pessoas estavam dilapidando o patrimônio. Vários carros que apreendidos hoje foram repassados para terceiros”, explicou o delegado Renato Basto Figueroa. “Em depoimento, o senhor. Eduardo Lopes Souza afirmou que recebia R$ 10 mil por mês como salário. Esta renda é incompatível com o patrimônio”, completou.

A investigação continua e a Polícia espera descobrir outras manobras de Lopes de Souza para manter o seu patrimônio. Bem, a principal tentativa foi dizer que o dinheiro desviado teria sido entregue a terceiros.

Ainda de acordo com o delegado do Nurce, os imóveis estão bloqueados pela Justiça, não sendo possível fazer transferência. A pedido de Figueroa, a Justiça autorizou ainda a quebra do sigilo bancário e fiscal de 12 pessoas e de três empresas, das quais Eduardo Lopes era sócio.


3 comentários

  1. quinta-feira, 7 de setembro de 2017 – 17:45 hs

    A mentira tem perna curta, quero ver a cara de determinado órgão jornalístico e do SS bimda mole

  2. JOESLEY FRIBOI
    quinta-feira, 7 de setembro de 2017 – 20:47 hs

    MAs você não disse quantos foi repassado para o Beto Richa e sua turma. Ou isso é falso?

  3. domingo, 10 de setembro de 2017 – 14:42 hs

    https://speranzanueva.blogspot.com.br/2017/09/e-so-feder-fuder-para-o-pt-que-aparece.html

    É só complicar Lula que começa mentiras contra os rivais. Estranhos é que Richa fez sanções administrativas contra a construtora. Será mesmo que se ele tivesse envolvido ele puniria a Construtora? Lula sabia e não puniu!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*