Cidades Inteligentes | Fábio Campana

Cidades Inteligentes

Ratinho Junior

As novas tecnologias mudaram as relações sociais, de trabalho, dos meios de produção e dos governos com os cidadãos. Com informações e dados obtidos em tempo real, a gestão pública ganhou agilidade e eficiência. Os serviços oferecidos à população são mais transparentes, o acesso aos conteúdos e documentos oficiais facilitado, a burocracia minimizada e as decisões rápidas e pragmáticas.

A partir da apropriação de tecnologias e dispositivos de alta performance, as cidades tornaram-se mais inteligentes ao melhorar, consequentemente, a eficiência administrativa e financeira. Hoje, muitas cidades operam com o auxílio da tecnologia, serviços como o de segurança pública e monitoramento eletrônico, de eficiência energética e sustentabilidade ambiental, controle de gastos e investimentos públicos, tributação legal, entre outros setores.

Em todo o mundo, existem programas de eficiência energética dos edifícios públicos, de iluminação pública inteligente, geração de energia limpa, entre outras práticas, como planos para redução e correta destinação dos resíduos sólidos ou ainda para o gerenciamento, coleta de esgoto e direcionamento de águas pluviais por meio de sistemas como o Smart Grid.

Neste cenário moderno, destaca-se ainda o uso da tecnologia para melhorar a qualidade da segurança inteligente. Os resultados, neste quesito, são mensuráveis e práticos no cotidiano dos cidadãos: redução da taxa de criminalidade (assaltos, furtos, homicídios, etc.) por habitante – redução da taxa de prejuízo proveniente da criminalidade.

Recentemente, observei de perto os resultados obtidos ao visitar Tel Aviv, em Israel. Comprovei a eficiência do modelo de ‘cidades inteligentes’ implantado pelo município, vencedor, em 2014, do prêmio “Smart City Expo”, em Barcelona, na Espanha.

Tel Aviv recebeu o prêmio pelo projeto DigTel ao transformar toda a gestão do conhecimento da cidade e modernizar o atendimento aos contribuintes com eficiência, transparência e agilidade. Há, no município, um sistema tecnológico de gestão digital que modera a comunicação e a interação de todos os moradores sobre inúmeros serviços e segmentos da sociedade. O exemplo de Tel Aviv mostra-se perfeitamente aplicável em pequenas, médias e grandes cidades.

O Paraná tem todas as condições para ingressar plenamente no universo das cidades inteligentes ou smart cities. Temos trabalhado para atingir este patamar com ações, projetos e uma agenda propositiva de eventos e encontros. No último mês, realizamos a segunda edição do Hackathon Paraná. Constatei projetos e ideias fantásticos, inovações tecnológicas e novas plataformas para o funcionamento mais eficiente dos serviços públicos.

E no Estado conseguimos avanços significativos. Cito os planos diretores adotado nos municípios. Nele, constam soluções para extinguir os lixões, o programa tecnológico Sedu/Paranacidade/Interativo e, ainda, o maior programa de acessibilidade do País.

Nesta segunda-feira, 22 de maio, começa o Smarty City Business 2017 que será realizado em Curitiba. É o maior evento do gênero, vai reunir gestores, representantes de órgãos do governo, CEOs, delegações estrangeiras e instituições. Será o espaço apropriado para gestores públicos debaterem novas tecnologias e uma oportunidade para reiterar o dever dos gestores com a qualidade de vida das pessoas. Será também uma oportunidade para consolidar o Paraná como uma verdadeira startup tecnológica e o futuro “Vale do Silício da América do Sul”.

Ratinho Junior é secretário de Desenvolvimento Urbano do Paraná


4 comentários

  1. falido e ainda mal pago
    sábado, 20 de maio de 2017 – 22:03 hs

    A Lava Jato precisa pegar a mídia e a comunicação. Vai ser massa! E não terá rato que escape… kkk

  2. Renan
    segunda-feira, 22 de maio de 2017 – 14:34 hs

    Enquanto uns estão preocupado em se “safar” dos escândalos que acontecem no país, o Ratinho trabalha! Parabéns, além de não ver seu nome envolvido em nenhum escândalo, demonstra que está interessado em em uma nova forma de política, gestão e administração pública! Ratinho 2018!

  3. Daniel Fernandes
    segunda-feira, 22 de maio de 2017 – 15:25 hs

    Precisamos de cidades inteligentes sim.
    Mas de televisão inteligente também.
    E o SBT não é. E quem retransmite o SBT aqui no PR é a Rede Massa.
    Muito bonito falar em cidades inteligentes.
    Fale em televisão inteligente.
    A programação local da Rede Massa consegue ser ainda mais vergonhosa do que a programação nacional.
    Sintonize nela à tarde e veja toda a glória da programação local.

  4. Daniel Fernandes
    segunda-feira, 22 de maio de 2017 – 15:26 hs

    E outra, Ratinho Junior.
    Tecnologia por tecnologia, não resolve problema nenhum.
    Precisamos não de tecnologia, mas de outra coisa.
    Tecnologia em cima das mesmas coisas de sempre é só o passado fantasiado com tecnologia.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*