Brasil tem 6 milhões de pessoas vivendo em situação de pobreza | Fábio Campana

Brasil tem 6 milhões de pessoas vivendo em situação de pobreza

10428449_807106669329014_8003240554717313244_n

Número equivale a 3,1% da população. Além da renda, ONU considera acesso a condições de vida decentes, como educação e saúde

De O Globo:

BRASÍLIA – O Brasil tem 6,083 milhões de pessoas que vivem em situação de pobreza, segundo o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) 2014. Esse número – que equivale a 3,1% da população do país – abrange indivíduos que, além de não terem renda, vivem sem acesso a educação ou saúde ou condições de vida consideradas decentes (com água, luz e saneamento, por exemplo). Para as Nações Unidas, a pobreza deve ser medida não apenas de acordo com a renda, mas com as privações que os indivíduos enfrentam para ter qualidade de vida.

Por isso, o relatório traz desde 2010 o chamado Índice de Pobreza Multidimensional (IPM). Por ele, é classificado como pobre qualquer indivíduo privado de pelo menos três de um total de 10 indicadores considerados importantes para se ter qualidade de vida: nutrição, baixa mortalidade infantil, anos de escolaridade, crianças matriculadas em escolas, energia para cozinhar, saneamento, água, eletricidade, moradia digna e renda. E quanto maior o número de indicadores, mais grave é a situação.

Por esses critérios, 1,5 bilhão de pessoas em 99 países vivem em situação de pobreza hoje. O número é ainda maior do que o grupo de 1,2 bilhão de pessoas que vivem com US$ 1,25 ou menos por dia, que é a linha internacional de pobreza. De acordo com o relatório, Níger é o país com maior proporção de pessoas em pobreza multidimensional, com 89% da população nessas condições.

No caso brasileiro, quando se considera a proporção de pessoas em situação de pobreza grave (com privação em pelo menos 5 dos 10 indicadores), 0,5% da população, ou quase 1 milhão de indivíduos são afetados. No entanto, mais de 14 milhões de pessoas (7,4% do total) se encontram numa situação vulnerável, ou seja, sofrem até três privações.


6 comentários

  1. Professor Eliseu
    quinta-feira, 24 de julho de 2014 – 11:20 hs

    Comovido da tão comentada estatística do Relatório de Desenvolvimento Humano, pus-me a pensar que esses são números da vergonha, quase sete milhões de brasileiros empobrecidos vítimas de um sistema safado da política brasileira. Core o rosto dos juizes e Promotores de Justiça receber auxílio Moradia sendo que os seus salários quase igualam ao da Presidência da república.
    Pasme também dos salários dos deputados de todas as esferas, dos senadores e dos que estão próximos a eles, com todas as regalias do mundo. Como se tudo isso não bastasse , há também no político a lavagem do dinheiro público. Tudo no mundo da política custa caro. Uma licitação, por exemplo, que nós homens que vivemos na prática a economia achamos absurdo, para o poder público nada importa. Num país onde o dinheiro público é fatiado, não há como diminuir o índice de míséria e subvida. Isso só é possível mudar quando olharmos mais para a Educação e, sobretudo, pormos numa mesma balança a distribuição de renda.

  2. fiscal de realeza
    quinta-feira, 24 de julho de 2014 – 11:27 hs

    eram 15 milhoes ja caiu muito

  3. Vigilante do Portão
    quinta-feira, 24 de julho de 2014 – 11:50 hs

    É MENTIRA!
    Lula e Dilma, dois farsantes, insistem em dizer que estão todos na “ctasse Média”.

  4. grasshopper
    quinta-feira, 24 de julho de 2014 – 13:05 hs

    É triste saber que ainda temos quase 7 milhões de irmãos vivendo na miséria. É preciso que os governos se empenhem mais para que em pouco tempo não tenhamos mais irmãos vivendo nesta condição.

  5. tadeu rocha
    quinta-feira, 24 de julho de 2014 – 13:47 hs

    FALARAM QUE NÃO EXISTE MAIS ISSO, D. DILMA FALA … É SÓ NÓS ACREDITAMOS BRASILEIROS..

  6. Laerci da Silva Lima
    quinta-feira, 24 de julho de 2014 – 16:28 hs

    Só descobriam depois da copa, que vergonha!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe seu comentário: