Polícia Civil vai criar divisão de homicídios
em Curitiba

Da Folha de Londrina:

Mais uma aposta da Polícia Civil para reduzir os índices de mortes violentas na capital é a implantação da Divisão de Homicídios de Curitiba. Segundo Riad Farhat, faltam apenas alguns ajustes para que o governador Beto Richa (PSDB) homologue sua criação. Segundo o delegado geral, a capital será dividida em quatro zonas e cada equipe vai trabalhar em determinada região. Será um delegado, com 10 ou 12 investigadores em cada zona. “Hoje uma mesma equipe que atende um homicídio na região sul da cidade vai ter que investigar uma ocorrência na região norte. Com a mudança, o desenvolvimento dos trabalhos será mais eficaz já que cada equipe vai ficar responsável por uma região”, decreta.

Além disso, adianta Farhat, outros delegados serão designados para cuidar de crimes complexos e outros para casos mais antigos. A princípio, somente as ocorrências da capital e alguns crimes mais importantes da região metropolitana serão investigados pela divisão.
Segundo Farhat, cerca de 80% dos homicídios são solucionados no momento em que a polícia chega ao local do crime e com a coleta de provas. Por isso, ressalta, se o local do homicídio não é tratado com o devido cuidado, toda a investigação pode ser comprometida.

“Estive por 15 anos no Tigre e sempre disse que quando um sequestro começa mal já nas primeiras horas fica difícil consertar a situação. Então não se pode errar. Hoje você começa a desvendar um homicídio por meio da perícia e depende muito da preservação do local, isso não pode ser banalizado.”

Homicídios
Riad Farhat comentou ainda os números da criminalidade em Londrina. Segundo ele, a taxa de esclarecimento de homicídios ficou entre 75% e 80%, bem acima da média nacional, de 15% a 30%. “A subdivisão policial de Londrina talvez seja a que mais conseguiu diminuir a criminalidade em todo o Estado. A equipe de lá tem delegados novos e todos estão motivados, apesar das dificuldades. Londrina não é uma cidade fácil, sempre foi problemática em números criminais, mas a situação melhorou bastante”, avalia.


5 comentários

  1. Vanessq
    sábado, 18 de janeiro de 2014 – 13:00 hs

    Com o menor efetivo de policiais civis do Brasil.. Como isso será possível?? Primeiro deve noite nomear os aprovados PCPR..

  2. zangado
    sábado, 18 de janeiro de 2014 – 17:09 hs

    Essa necessidade contradiz estatísticas ultimamente publicadas – pura e simples constatação.

  3. VERDADE
    domingo, 19 de janeiro de 2014 – 16:56 hs

    Se nem divisão de homicídios o Paraná tem como então dizem que houve redução de criminalidade? Depois o Delazari que era o mentiroso!!! Valha-me Deus!!! Mentem e depois esquecem…

  4. Levir Batista
    domingo, 19 de janeiro de 2014 – 19:22 hs

    e o caso Tainá? não dá mais ibope? o que o Gaeco fez com os estupradores? soube que cada um custa 2000,00 mensais para o governo. Com a palavra o Cid e o Gaeco.

  5. Bacharel em Direito
    segunda-feira, 20 de janeiro de 2014 – 1:30 hs

    Boa iniciativa, simples e se bem implantada, será eficaz, pena que o Paraná é sempre um dos últimos Estados da federação a concretizar boas práticas já adotadas por outros à décadas, ex São Paulo, Rio, Ceará, Pernambuco entre outros

Deixe seu comentário: