“O Gaeco pede minha saída porque implantei rodízio de policiais”, diz Cid Vasques | Fábio Campana

“O Gaeco pede minha saída porque implantei rodízio de policiais”, diz Cid Vasques

Denise Mello, Banda B

Após ser informado, ainda não oficialmente, de que o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) pediu sua saída do cargo de secretário de segurança pública do Paraná ao Conselho Superior do Ministério Público do Paraná, Cid Vasques reagiu. Disse à Banda B que o pedido está sendo feito agora pelo fato do órgão não concordar com o rodízio de policiais que atuam no Gaeco, que vem sendo implantado por ele.

“É uma reação clara. Estabelecemos um rodízio de policiais que atuam no Gaeco como política interna de aproveitamento da experiência angariada por esses profissionais durante a atuação no grupo. Temos casos de delegados, por exemplo, que estavam há 12 anos no Gaeco. Por que não promover um rodízio para que outros também acumulem essa experiência?”, afirmou Vasques.

O pedido do Gaeco feito ao Conselho Superior do Ministério Público do Paraná tem como objetivo retirar Vasques do cargo por meio da suspensão da licença dele como procurador do Ministério Público. Se a licença for revogada, Vasques terá que deixar o comando da Sesp-PR.

O argumento do Gaeco é incompatibilidade. Vasques, que se sempre foi contra a aprovação da PEC 37, que pretendia retirar o poder de polícia do Ministério Público, reafirmou que é preciso manter claras e éticas as relações entre polícia e MP. Garantiu que não é objetivo do Sesp obstruir ou dificultar o trabalho do Gaeco. Pelo contrário.

Lembrou que o Gaeco tem seis núcleos regionais: Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Guarapuava e Foz do Iguaçu. E, para esses núcleos, destinou 36 policiais militares (sendo oito deles oficiais), e 20 policiais civis (entre delegados, investigadores e escrivães).

“O efetivo de 36 policiais é praticamente um pelotão. Há municípios no estado que têm três policiais militares nas ruas e seis no Gaeco. Em nenhum momento acenamos com a possibilidade de reduzir este efetivo. O que estamos implantando é um rodízio para que mais policiais tenham o direito de obter a mesma experiência que poucos hoje desfrutam. O Gaeco reagiu e pediu minha saída”, disse Vasques.

O secretário reforça ainda que, com 56 policiais à disposição do Gaeco, o objetivo é colaborar e não atrapalhar. “O trabalho é sempre conjunto e tem um objetivo comum: o aperfeiçoamento da Política Estadual de Segurança Pública. E isso, obviamente, tem como um dos pilares a intolerância com desvios de conduta, não só nos organismos policiais, mas em qualquer esfera da Administração. E o Governo do Paraná, através da Sesp, não tem medido esforços para viabilizar o desempenho dos Gaecos, ainda que enfrentando seríssimas dificuldades em função da precariedade de material humano”, completou.

O pedido do Gaeco ainda não foi julgado pelo Conselho Superior e o secretário afirma que não foi notificado oficialmente.


14 comentários

  1. Policial Atento
    quinta-feira, 29 de agosto de 2013 – 16:17 hs

    Tenham a santa paciência, o ministério público se transformou num monstro sem controle, querem mandar em tudo e em todos e sentam sobre suas próprias mazelas – o auxílio alimentação retroativo a 2004 é uma imoralidade e uma corrupção, agora o auxílio saúde, além de outras preciosidades que em outras searas mereceriam sensacionais ações de improbidade. Já tiraram o Reinaldinho, agora querem tirar o Cid, são uns irresponsáveis, isso sim.

  2. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 29 de agosto de 2013 – 16:29 hs

    E eu me lembro que o rodízio de fiscais do Estado, dos chamados coletores, implantado por Erasmo Garanhão, no início do governo José Richa, 1983, resultou em aumento da arrecadação.
    Correta a iniciativa vasqueana.

  3. Freitas
    quinta-feira, 29 de agosto de 2013 – 17:26 hs

    Fazer o povo bobo parece fácil mas estamos vendo toda essa sujeira.

  4. quinta-feira, 29 de agosto de 2013 – 18:15 hs

    O greco, de forma absurda,esta querendo ser mais forte que o ministério publico ,. Alguém tem que dar um basta nisto.

  5. Genildo
    quinta-feira, 29 de agosto de 2013 – 19:35 hs

    Equivocada sua posição senhor Vasques, senão vejamos: não existe policial no GAECO com mais de 10 anos de serviços prestados aquele órgão até porque ele foi instituído a exatos 10 anos, então afirmar que existe delegado lotado no GAECO há 12 anos é uma afirmativa equivocada, para não dizer mentirosa. Aproveitamento do conhecimento adquirido por esses policiais é mais uma falácia de Vossa Senhoria já que eles não serão usados na área de inteligência e o senhor sabe muito bem que eles serão retaliados pois a ordem já saiu da SESP, sem dizer que para se formar um policial na área de inteligência leva-se no mínimo, no mínimo 03 anos. Sua postura esta mais para a retaliação por eles terem investigados os policiais da furtos e roubos de veículos. Primeiro senhor Cid, apresente os assassinos da garota Tayná e depois se sinta no direito de comandar um único policial que seja. Pede pra sair secretário, o senhor já conseguiu ser pior que o Cândido Martins de Oliveira na época do Lerner.

  6. Zeca
    quinta-feira, 29 de agosto de 2013 – 20:39 hs

    GAECO; cuide do trabalho de vocês, teria o maio prazer de poder debater com esses promotores.
    É o fim da picada, cadê a independência de poderes?
    Além de jocoso é, deselegante.

  7. Camboim
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 10:07 hs

    Não esmoreça Dr. Cid Vasques. Você foi um excelente Delegado de Polícia, e não menos como integrante do Ministério Público. Mantenha o rodízio. O Sr. é quem comanda. Não perca essa autoridade. Policiais civis e militares precisam de reciclagem em suas instituições.

  8. O Inquisidor
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 10:12 hs

    O MP está certo… deve destruir quem se atreve a cruzar seu caminho… em frente e rumo ao PODER ashua ashua ashua…
    nada deterá o MP

  9. Cláudio Cortesia
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 17:47 hs

    O que a SESP e o Governo Beto Richa estão fazendo, vai terminar com os GAECO’s, isto interessa a quem???? Aos honestos???? É lamentável que isto tenha partido de um próprio membro do Ministério Público. Para quem não sabe as investigações dos Gaeco’s são demoradas e trabalhosas, e o rodizio de policiais inviabiliza o trabalho investigativo. Além do mais Gaeco não é curso de treinamento para policiais como a SESP está querendo fazer parecer.

  10. Adalberto Costa
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 18:11 hs

    Aqui em Londrina todos querem ir para o Gaeco, virou shows mens. Adoram dar entrevistas, aparecer na televisão. Briga de vaidades. Parabens Secretario. Aqui em Londrina o Gaeco virou “GAECO SHOW” seja a ser motivo de piada no meio jurídico.

  11. Roberto Tavares
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 19:06 hs

    Gaeco no nosso estado virou casa da mãe Joana. Fazem o que querem com estrutura e dinheiro publico para fazer shows. Agora quer mandar na nossa corporação? Por favor senhores promotores, ficam na de vocês. Policia=policia, Gaeco=show.

  12. sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 20:21 hs

    O gaeco precisa urgente…..arruda…pimenta…Guiné….e tomar um banho de sal grosso..

  13. César Mutante
    sexta-feira, 30 de agosto de 2013 – 22:58 hs

    Os policiais ali lotados são feitos de marionetes nas mão dos senhores promotores em troca de um acréscimo salarial. Mal sabem o que é tratado, combinado, engavetado e acertado por eles nos bastidores. Verdadeiras marionetes, juntamente com o povo que aplaude o circo. Ninguém nunca é condenado em suas ações. Verdadeiro desperdício de dinheiro publico e policiais ali lotados, em prol de interesses e negociatas nos corredores daquele órgão. Vergonha do mundo em que vivo…

  14. SÊGO (SIC)
    sábado, 31 de agosto de 2013 – 18:58 hs

    Considero a utilização de Policiais Civis e Militares pelo GAECO um ato de improbidade na modalidade prejuízo ao erário, não é razoável um PODER que tem orçamento próprio utilizar-se de pessoal pago por outro ente da Federação para suas atividades. O MP deve investigar mas utilizando os meios que tem e se pensa ser necessário agentes que se altere o artigo 144 da CF para que agentes do Ministério Publico possam realizar tarefa privativa das Policias, ou mais fácil que se rasgue a Constituição da Republica. Sugiro a Policia Civil enviar para o Ministério Publico todos os Boletins de Ocorrência de um dia da semana, por exemplo segunda -feira para que sejam investigados ou os NOBRES só desejam aqueles que seja possível aparecer no fantástico.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*