PF desarticula rede de corrupção policial comandada por assessor de deputado

A Polícia Federal em Curitiba deflagrou na manhã de hoje, 25, a “Operação Fractal”, para desarticular organização criminosa voltada ao contrabando e à exploração de jogos de azar no Estado do Paraná, mediante intensa corrupção policial e comandada por assessorde deputado. Neste momento, a Polícia Federal está no 6º andar da Assembleia Legislativa.

Cerca de 250 policiais federais cumprem 40 mandados de busca e apreensão, 23 mandados de prisão preventiva, seis mandados de prisão temporária e 29 mandados de condução coercitiva. As ordens judiciais estão sendo executadas nas cidades paranaenses de Curitiba, Maringá, Medianeira, Foz do Iguaçu, Faxinal e Matinhos; em Porto Alegre e Canoas, no Rio Grande do Sul, e em Laguna e Joinville, no estado de Santa Catarina.

A Polícia Federal iniciou a investigação em 2010, após representação do Ministério Público Federal de Umuarama (PR), e apurou que a quadrilha se valia de um “braço armado” formado por policiais militares lotados, em sua maioria, em rotas de contrabando no noroeste do Paraná. Além de facilitar a passagem da mercadoria do grupo, os policiais extorquiam contrabandistas concorrentes, repassando parte dos valores e dos produtos desviados de apreensões ao núcleo central do esquema. A organização criminosa era liderada por um assessor de um Deputado Estadual do Paraná e por Oficiais da Polícia Militar ocupantes de postos chave, que, em contrapartida, mantinham os policiais aliciados em equipes móveis e os auxiliavam em procedimentos disciplinares para perpetuar as práticas delituosas.

Ao longo dos trabalhos foi detectado o cometimento de diversos crimes, inclusive de alçada estadual e militar, tudo girando em torno da lucrativa prática do contrabando de cigarros.

As somas dos valores oriundos da corrupção e repassadas ao assessor e seus contatos na corporação militar paranaense giravam em centenas de milhares de reais. Tal movimentação possibilitou a obtenção de grande patrimônio por parte dos integrantes da quadrilha, sendo que parte dos imóveis, bem como valores, foram bloqueados por decisão judicial.

O nome da Operação é decorrente da capilaridade detectada nas investigações, que levou a quadrilha a infiltrar-se em todas as esferas do Estado. Por um conceito matemático, “fractal” seria um objeto que apenas encontraria regras na irregularidade, com grande capilaridade, definindo bem a atuação do grupo. Na investigação existem indícios de que a Organização Criminosa infiltrou-se, ou buscava influência, em setores das polícias Militar, Civil e Federal, Receita Federal, Receita Estadual, Ministério Público Estadual e Assembleia Legislativa do Estado Paraná.

Vale ressaltar que ao longo da investigação foram realizados diversos flagrantes e prisões de servidores públicos por corrupção. A investigação, que está em segredo de justiça, deverá realizar outras diligências.

Mais informações serão repassadas em uma entrevista coletiva às 10h de hoje, 25, na Superintendência Regional da Polícia Federal no Paraná.


19 comentários

  1. justino bonifácio martins
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 10:09 hs

    Fabio,
    A bem da boa informação jornalística seria ótimo divulgaro o nome do deputado e do assessor 171!

  2. Perseu Guido 21
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 10:57 hs

    Quem será o tal? Porque o deputado já se sabe…

  3. Mustafah
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 11:28 hs

    Essa operacao e o fecho de ouro da administração do Delegado Iegas , combatendo a corrupção.
    Agora Beto, quem colocou esse bandidos que ocuparam o comando da PM foi vc governador, e que so saíram pela forca da sociedade paranaense , parabéns Policia Federal, o Parana agradece

  4. Bacharel em Direito
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 11:48 hs

    Viu MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ, é assim que se faz investigação criminal, com profundidade, conteúdo probatório, sem escolher poder ou órgão da administração pública, sem querer atingir a honra da Policia Civil do Paraná e proteger os Policiais Militares, pois, é claro e cristalino, que são os Policiais Militares em sua grande maioria que servem de mão de obra nos GAECOS, aliás, grande ilegalidade, não conheço nehuma Lei, jurisprudência pacificada ou qualquer interpretação legal, que valide ou de poder de investigação criminal por parte de MILITARES em crimes comuns.

    Parabéns a POLICIA FEDERAL, policia de ESTADO

  5. Helio Nunes
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 12:18 hs

    Putz que esquema hein, de qual gabinete então será esse assessor?

  6. luiz
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 17:16 hs

    Sem querer ser pessimista, porém sendo. Quando criaram esse batalhão de fronteira etc e tal… Tive um mau pressentimento.
    Agora se chegou aos oficiais; aos processos administrativos; ao MP; às Receitas; a Alep!
    Quero ver desossar esse venerável elefante branco?!

  7. Francisco de Assis
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 20:00 hs

    O que acontece com a Policia Militar do Parana é so a PF começar a fazer operações e la vai policial militar preso. A pucos anos atras tinha na regiaõ de Maringa e Campo Mourão um capitão que organiza o crime de contrabando na Região Norte do Estado os contrabandistas estavam tranquilos, pois o Capitão dava cartas e jogava de mão, e tudo passava com sua autorização e de seus subordinados. Interessante que a P-2 nunca descobriu que o cara estava milionario, ate que a casa caiu, como caiu agora, e podem ter certeza que tem muito servidor milionario nessas prisões. Cade a P-2 que não ve esses sinais exteriores de riqueza, precisa a Federal buscar os marginais de farda?

  8. H. Romeu Pinto
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 21:10 hs

    Ao Bacharel em Direito: volta para os bancos escolares ou então pede seu dinheiro de volta……

  9. elvis
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 21:12 hs

    será francisco de assis que alguem queria descobrir hein???? é so vasculhar que acha mais e mais e mais gente e nao precisa nem de p-2 para isso

  10. Bacharel em Direito
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 21:51 hs

    Resposta ao seu Pinto. Estou pronto para debater juridicamente. PM pode investigar crime comum? mostre? Vc acredita na falácia que a PEC 37 vai tirar o poder de investigação do MP, não se tira o que não se tem. Mostre na Constituição ou fique esperando o STF decidir sobre esse pseudo poder investigativo. Vc deve ser PM (mango), 2º grau, entende seu recalco.

    Fiz UNICURITIBA

  11. Bacharel em Direito
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 22:19 hs

    A P-2 militares lotados na 2º seção(serviço reservado), só serve para prender pé de chinelo nas chamadas biqueiras do tráfico, mas a culpa é dos Delegados, que aceitam essa ilegalidade e esquentam os flagrantes deles. Quando é para investigar crimes militares, sua única atribuição legal, fazem corporativismo. Esse é o Brasil, banana comendo macaco!

  12. Henrique
    quinta-feira, 25 de abril de 2013 – 22:30 hs

    o cara que é contra GAECO é pq é corrupto também!!! ou então é um policial Civil com rabo preso!!!

  13. Bacharel em Direito
    sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 10:43 hs

    Não henrique, vc está completamente enganado, sou a favor da legalidade, vou dar um exemplo de como deveriam funcionar os GAECOS no Brasil inteiro: Acordo de cooperação dos MPs Estaduais, com as Policiais Judiciárias dos Estados e MPF, com a Policia Judiciária Federal, esse é o modelo legal e a melhor parceria. Aliás, paro por aqui com essa discussão, já vi que algumas opiniões são de pessoas com analfabetismo funcional, se alguém tiver dificuldade de saber o significado, peça gentilmente, que lhes explico ou consultem o google, como estão acostumados.

  14. H. Romeu Pinto
    sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 12:18 hs

    Ao Bacharel em Direito: sou mango sim, Cabo, formado em direito pela UNOPAR mas que optou pela carreira militar. O curso superior foi só para ganhar pela gratificação técnica que foi extinta pela implantação do subsídio. Na época, entre direito e engenharia de alimentos preferi o direito, me pareceu bem mais fácil…… mas acabei me arrependendo.
    Cara… vai lá e exija seu dinheiro de volta, voltar para os bancos não vai adiantar nada não!!

  15. Nello Morlotti
    sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 15:31 hs

    Bacharel, tamo junto !!

  16. Policial
    sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 19:38 hs

    Bacharel, estudando na unicuritiba vc vai ser delegado ou advogado porta de cadeia. Cursinho vagabundo viu!

  17. Bacharel em Direito
    sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 20:14 hs

    Boa noite seu Pinto! Acertei né, mango, cabo e bem ignorante, significado para lhe ajudar “pessoa de pouca cultura; quem critica algo sem conhecer”. Aliás, mango, vem de samango”pessoa com pouco conhecimento técnico”, então até peço desculpa, na verdade, tudo isso são sinônimos, e se não entendeu, peça humildemente que lhe explico. Vejo nas suas palavras pobres e de enorme recalco, que na verdade devo ter pena e pedir desculpas por esperar algum debate jurídico com vc, pois, estaria realmente exigindo demais. Já cansei de vc, muito fraquinho.

  18. Bacharel em Direito
    sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 20:21 hs

    Ao Policial, tenho certeza absoluta que vc não é Advogado e nem tem competência para ser aprovado no exame da OAB e mesnos ainda em um concurso público de nível de terceiro grau, quanto mais Delegado. Outro recalcado e o que já escrevi para o Pinto, serve pra vc.

  19. Allan Brado
    sexta-feira, 26 de abril de 2013 – 22:43 hs

    Rapaz…..! Quanta estupidez, se bater um vento ou chover nessas “togas” a bunda ficará de fora, lamentável. (Refiro-me aos comentários)

Deixe seu comentário: