Indústria gráfica estrangeira invade o mercado brasileiro | Fábio Campana

Indústria gráfica estrangeira invade o mercado brasileiro

Do Estadão

O avanço das importações chegou ao mercado de livros didáticos. Nos bancos escolares, os estudantes brasileiros estão estudando em livros impressos na China, Índia, Coreia, Colômbia e Chile.

Em 2011, editoras que fornecem material para o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), do governo federal, ampliaram em quase 70% as encomendas no exterior, estimam empresários da indústria gráfica. Os motivos são o câmbio e o custo Brasil.

Principal cliente para as gráficas do segmento editorial, o governo responde por 24,4% das compras de livros no País, que somam cerca de R$ 4,5 bilhões. No ano passado, o governo fez uma compra recorde de 170 milhões de livros didáticos para o ano letivo de 2012. As editoras foram às compras no exterior, com base no argumento de que as gráficas editoriais brasileiras não teriam condições de entregar todas as encomendas dentro dos prazos estabelecidos nos editais.

A consequência disso foi que boa parte das gráficas trabalhou com alguma ociosidade a partir do segundo semestre de 2011, período em que elas costumam rodar livros didáticos. Em dezembro, representantes dos empresários e dos trabalhadores foram ao Ministério da Educação expor a preocupação com o crescimento nas importações.
“Já estamos perdendo empregos”, diz o presidente da Abigraf. A indústria gráfica investiu US$ 5 bilhões no Brasil nos últimos quatro anos. Um empresário paulista, que pediu para não ser identificado, conta que demitiu 300 empregados nos últimos dois meses, o equivalente a 25% no quadro de pessoal. Além disso, engavetou um projeto de investimento US$ 20 milhões previsto para este ano. “Eu estava comprando uma máquina de 64 páginas e agora não tenho mais condições”, diz o empresário.
O presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), José Carlos Wanderley Dias de Freitas, que participou de uma das reuniões com empresários e trabalhadores do setor, disse ao Estado que o órgão não tem informações diretas sobre aumento nas importações de livros didáticos.
Custo. “A relação de contrato do CNDL é com as editoras e a impressão do livro didático não é uma questão nossa”, argumentou Freitas. “Se a editora vai fazer a impressão no Brasil, na China, na Europa ou na América do Sul, é um problema dela.”
O avanço das importações não aparece nas estatísticas oficiais porque não existe posição aduaneira específica para o livro didático. Mas a indústria gráfica tem algumas sinalizações sobre o tamanho da encrenca. Uma delas é que, até 2010, as importações de livros medidas em dólares e em toneladas caminhavam praticamente juntas. No ano passado, porém, a quantidade de títulos do exterior saltou 62%, para 31,1 mil toneladas, enquanto o crescimento em valor foi de apenas 27%, para R$ 175,8 milhões.
Na avaliação dos empresários do setor gráfico editorial, o descolamento se deve a um forte aumento na compra de livros didáticos, que custam bem menos que a grande maioria dos livros importados pelo País.
A presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), Karine Pansa, prefere não tomar partido no debate. Ela fez questão de ressaltar que a entidade defende os valores éticos do mercado, mas não interfere nas questões comerciais das editoras.
“Gostaríamos que houvesse menos importações em todos os segmentos, não só o livreiro, para o bem do desenvolvimento do Brasil”. E acrescenta: “Sabemos que os editores estão buscando a possibilidade de impressão em outros países porque o custo Brasil é prejudicial nesse momento à produção nacional”.


2 comentários

  1. Vigilante do Portão
    segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012 – 13:49 hs

    Sepois que descobriram que o Derosso e a muilher imprimem 240 mil exemplares de jornal,

    Resolveram abrir filial em Curitiba.

    Aliás,

    Já descobriram em qual gráfica foram rodados os milhares e milhares de exemplares dos tais jornais?

    E o Papel, foi comprado de qual empresa?

    O checão do pagamento do papel, foi descontado?

    Cadê a nota Fiscal?

  2. Alexandre
    quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012 – 10:59 hs

    E assim vai se acabando os empregos no Brasil e vai aumentando o trabalho “escravo” na China… ou alguém acha que os comunistas dão direitos trabalhistas aos chineses?

Deixe seu comentário: