Com 3,3 milhões, população da Grande Curitiba é maior que
a de 11 estados

tn_620_600_pessoas_rua_populacao_150809
Foto de Albari Rosa


Vinicius Boreki na Gazeta do Povo

Curitiba e região metropolitana ultrapassaram a marca de 3,3 milhões de habitantes, de acordo com as estatísticas populacionais divulgadas ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com a nova marca, as 26 cidades juntas superam o total po­­pulacional do Distrito Federal e de 11 estados brasileiros, localizados, em geral, nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste (veja box). A região também re­­­presenta 31% da população paranaense. Não só o crescimen­­to, mas a oferta de emprego nos setores da indústria e de serviços alavanca a troca de endereços de moradores de outros municípios, incluindo Rio de Janeiro e São Paulo – as duas maiores cidades do país –, para Curitiba e região.

As novas estatísticas demográficas são baseadas em cálculos e na tendência de cada mu­nicípio. Não houve novo recenseamento. Para chegar aos números, os especialistas do IBGE consideraram as últimas datas em que foram a campo (Censo 2000 e contagem de 2007) e estimaram tendências. “O Censo nos dá subsídios para falar dos resultados e dar explicações. Nesses casos, porém, seguimos as tendências de cada cidade, com uma fórmula matemática padrão”, explica André Alves Gandolpho, técnico do IBGE. E os cálculos indicam população de quase 191,5 milhões de habitantes em todo o Brasil. O Paraná registra pouco mais de 5% desse total – ou 10,6 milhões.
O crescimento da região metropolitana já vem da última década do século passado e decorre, sobretudo, da migração. Uma busca contínua pela oportunidade de trabalho. “Quando existe a certeza do emprego, pode-se considerar o aumento da população por esse fator”, explica Luis Lopes Diniz Filho, professor de Geografia da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Diniz Filho avalia uma tendência atual de procura por cidades de médio porte, principalmente do interior, causando um menor crescimento nos municípios com elevado índice habitacional, caso de Curitiba.

E a consequência disso é o fato de São José dos Pinhais e Colombo, dois municípios da região metropolitana entre as dez maiores cidades do Paraná (veja infográfico), tenderem a crescer mais rapidamente. As razões, contudo, são diferentes. “São José dos Pinhais atraiu investimento produtivo desde os anos 1990. Há uma oferta de empregos do próprio município”, esclarece Diniz Filho. “Em Colombo, a região que mais cresce é a do bairro Maracanã, que faz a fronteira com Curi­­tiba. E, por esse motivo, adquire mais características de cidade-dormitório”, analisa.

Essa característica de Colom­­bo e de outros municípios torna praticamente impossível avaliar a capital solitariamente, esquecendo das cidades fronteiriças. “A análise deve considerar Curitiba e seu entorno”, afirma Marisa Magalhães, demógrafa e pesquisadora do Instituto Para­­naense de Desenvolvi­­men­­to Eco­­­nômico e Social (Ipardes). “Não só a questão industrial, mas o emprego como um todo dever ser analisado de forma global nessa região”, acrescenta. Com ritmo de crescimento menor e oferta de serviços, as cidades da região metropolitana continuam a ser o polo mais atrativo do Paraná.

Esses municípios próximos são buscados pelo saturamento existente nas capitais. “Esse esgotamento não é territorial, porque existem áreas livres para construção. Ele ocorre no sentido econômico e social”, explica Marisa. Por esse fator, há tendência de que o crescimento das capitais seja cada vez mais lento. “De forma menos ágil do que Belo Horizonte, São Paulo e Rio de Janeiro, Curitiba já diminuiu seu ritmo de crescimento, apesar de colocar milhares de habitantes nas ruas por ano.”

Migrantes

Cláudio Marques Medeiros Rodrigues da Silva, coordenador de logística na Nokia/Siemens, vive em Curitiba há pouco mais de um ano. Afastou-se do agito carioca, mas ganhou em qualidade de vida. “Foi uma decisão conjunta com a minha namorada. Gostamos daqui depois de passar dois ou três dias”, conta. Além da tranquilidade, o bolso também pesou. “O custo de vida é menor em Curitiba. O que gastava lá, gasto aqui, mas com muito mais qualidade”, afirma. Na casa de Silva, encontra-se um casal carioca amigo, que veio a Curitiba com os mesmos interesses e busca um apartamento para viver.

O estudante de Engenharia Elétrica Robson Monteiro Evaristo também optou por Curitiba depois de passar um período na Inglaterra. “Minha namorada conhecia e sempre gostou da cidade”, relata. Antes da Europa, Evaristo vivia em Florianópolis. “Lá também há excelente qualidade de vida, mas a área de trabalho é bastante complicada”, afirma.


9 comentários

  1. o faxineiro
    sábado, 15 de agosto de 2009 – 10:18 hs

    E 80% por cento destes eleitores não votam nos Dias….Aonde estão os números desta pesquisa ” mandrake” do Alvaro….

  2. Jorge Ventura
    sábado, 15 de agosto de 2009 – 16:09 hs

    Uma pena, pois qualquer cidade que passa de 1 milhão de habitantes não fica boa de se morar.
    Pode ser boa de se ganhar $, porém a qualidade de vida vai para o buraco.

  3. Marcelo M.
    domingo, 16 de agosto de 2009 – 15:25 hs

    Chega ao ponto de ser uma cidade pequena para tanta gente…

  4. Pionoquio
    domingo, 16 de agosto de 2009 – 19:22 hs

    Mesmo os números sendo de Curitiba e região metropolitana e uma soma considerável , e onde há tanta gente e inevitável os atritos como falta de emprego, moradia, saúde publica , sem falar em segurança e outros assuntos de convívio como lazer.
    A propaganda dita aos quatro cantos do Brasil dizendo que a nossa cidade era maravilhosa na época era sim mas agora com a vinda desorganizada exagerada de pessoas de outras cidades causou uma queda brusca na qualidade de vida da cidade como um todo. Irresponsabilidade do governo Lerner e ingerência do governo Requião que propiciou a realização da ferro vila , das favela Vila Pinto , e de tantas distorções .

  5. domingo, 16 de agosto de 2009 – 20:01 hs

    Eu tambem faço parte dessa estatistica de 3.3 milhões de pessoas em curitiba e região. por que aqui viemos em busca de uma melhora de vida e realização de um sonho, no qual eu ao menos consegui realizar,igual a tantos outros forasteiros, nós fomos recebidos com muito carinho pelo povo de curitiba paraná, independente de cor , credo,ou descendencia,isso faz com que á cidade cresça alem de seu suporte, e sso não é bom para a sociedade, pois os problemas virão ao natural, não tem milagre que resolva todos so problemas dessa imensa população.

  6. Viviane
    segunda-feira, 28 de setembro de 2009 – 14:41 hs

    Curitiba já foi uma boa cidade para morar, mas agora não é mais. A insegurança aumentou muito. O número de drogadados e ladrões está cada vez maior. O trânsito é uma porcaria e os engarrafamentos são grandes. Não se pode caminhar pelo centro da cidade sem correr um alto risco de ser assaltado. Também não se pode pegar ônibus nem caminhar à noite. A cidade está cada vez mais perigosa e com o aumento do número de viciados, aumentam os crimes, pois estes matam e roubam descaradamente para conseguir manter o vício. Só temos que agradecer ao prefeito Beto Richa, pois a cidade só piorou desde que ele assumiu. O transporte piorou, a qualidade de vida decaiu e o prefeito só passea por aí em sua moto, mas fazer algo de bom pela cidade nada, típico de todo político.

  7. luiz ricardo sanches
    domingo, 26 de junho de 2011 – 15:13 hs

    olà a todos da gazeta do povo,parabens pelo trabalho que fazem no dia a dia,a materia da populaçao da grande curitiba està otima,podemos saber melhor pra onde vamos.serà que voçes poderia fazer uma materia sobre as obras da cidade para a copa do mundo?o nosso aeroporto internaçional,apesar de voos para a america latina preçisa urgente de voos diretos da europa,as mehorias das estradas e ruas,e por que nao a indicaçao de placas dos bairros bem grande com os nomes e indicando a zona(zona sul,oeste)ficando mais façil pra moradores e turistas?com uma populaçao de quase 3,5milhoes de habitantes nao entendo por ke no jornal da tv ainda nao falan das cidades como sao josé sendo da grande curitiba,exemplo florianopolis que é ben menor ke curitiba nos jornais falan na grande florianopolis?abraços a todos e bon trabalho,sou fa de vçs.

  8. luiz ricardo sanches
    quinta-feira, 11 de agosto de 2011 – 13:21 hs

    olà fabio campana tudo bem?acompanho seu trabalho sempre ke posso aki da europa,parabens,como curitiba cresçeu hen?e as cidades da grande curitiba tbn,espero ke o governo faça mais pela populaçao ke tanto sofre,fabio gostaria de saber como anda o projeto para o aeroporto internaçional?sempre ke vou au brasil é un caos nos aeroportos do rio e sao paulo,e nos en curitiba com un otimo aeroporto ke ainda nao ten voos da europa direto,agora com a copa vai mudar?e por ke nos telejornais aindan nao tratan as 26 cidades como grande curitiba?e p ke nao temos grandes placas indicando os bairros por zonas,como leste,norte etc…?ficaria mais façil nao?continue com seu trabalho maravilhosso,se puder enviar esses projetos para os nossos politicos,espero ke o brasil supere as dificuldades e ajuden o povo brasileiro ke é taosofrido e paren con tanta roubalheira ke é uma vergonha o ke eles fazen,abraços e sucesso

  9. osmar alves de lima
    quarta-feira, 30 de maio de 2012 – 22:20 hs

    curitiba, quem te conhece não esquece jamais. Moro em porto velho-ro uma das piores capitais do brasil. Ainda voltarei.

Deixe seu comentário: