Fábio Campana | Política, cultura e o poder por trás dos panos.

Definitivo. Não há aliança entre
Cida Borghetti e Beto Richa

Quem prestou atenção à convenção conjunta de hoje do PROS e do PMB (foto), ambos da base de apoio à reeleição da governadora Cida Borghetti, do PP, percebeu que Beto Richa já não faz parte da chapa de coligação comandada pela governadora. Essa convenção de hoje que é prévia e parte da convenção que consolidará o nome de Cida como candidata de outros partidos, como o PP, o DEM e PSB, não pronunciou o nome de Beto Richa. Foram confirmadas apenas as candidaturas de Cida Borghetti para o governo e Alex Canziani para o Senado.

Dois fatores aceleraram o rompimento definitivo do PSDB de Beto Richa e a frente política que apoia Cida. O primeiro foi a insistência de Richa em ver Canziani fora da chapa, uma forma que lhe daria todo o tempo de televisão da campanha do Senado. Condição considerada inaceitável.

O segundo fator foi um acontecimento paralelo à convenção do PROS e PMB. No mesmo momento em que Cida Borghetti discursava como candidata ao governo, uma chusma considerável de tucanos participava da convenção de Ratinho Jr, do PSD. O deputado Ademar Traiano, presidente da Assembleia e principal condutor do tucanato no Paraná, lá estava a saudar o adversário de Cida, Ratinho Jr.

Foi demais para a governadora, que já reclamava de tucanos a fazer campanha adversária em todo o interior. Deu no que deu. Não tem mais aliança Cida e Beto Richa. De um lado Cida e Alex Canziani, de outro, correndo avulso e isolado, Beto Richa, que não teve guarida oficial em nenhuma das campanhas. Nem Ratinho Jr, do PSD, nem Osmar Dias, do PDT, admitiram sequer negociar uma composição com Beto Richa. E se estendermos a avaliação, nenhum de todos os demais pequenos partidos quis aceitar dobrada com o ex-governador.

Justiça Eleitoral devolve inquérito sobre Beto Richa para Sérgio Moro

Do G1

A juíza eleitoral Mayra Rocco Stainsack devolveu ao juiz federal Sérgio Moro o inquérito que apura se o ex-governador do Paraná e pré-candidato ao Senado Beto Richa (PSDB) cometeu crimes no processo de licitação para duplicação da PR-323.

Os autos haviam sido enviados por Moro à Justiça Eleitoral em junho. De acordo com a investigação, Richa favoreceu a Odebrecht em troca de pagamento, via caixa dois, de R$ 2,5 milhões.

Ao encaminhar à Justiça Eleitoral, Moro pediu que o caso fosse devolvido a ele, para que a investigação de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude à licitação continuassem.

No despacho de encaminhamento, o juiz federal alegou que a competência do caso é da Justiça Federal e não da Justiça Eleitoral. “Não se trata de mero caixa dois de campanha”, afirmou o juiz, que é o responsável pelos processos da Operação Lava Jato na 1ª instância.

Leia Mais »

Mulher da quadrilha que explodia caixas eletrônicos é funcionária da Assembleia

Cerca de 60 policiais do Cope saíram às ruas para cumprir sete mandados de prisão e outros 12 de busca e apreensão.Cinco pessoas de uma quadrilha suspeita de explodir caixas eletrônicos e roubar carros-fortes foram presas nesta sexta-feira (20) durante a operação “Baixa Ordem” deflagrada pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), unidade de elite da Polícia Civil do Paraná.

Entre as pessoas presas está Eliana Benedita Correa,funcionária da Assembleia Legislativa, que esteve lotada no gabinete da liderança do governo . As informações são da Secretaria de Segurança Pública.

A polícia acredita que estes criminosos explodiram o caixa eletrônico do banco de Rio Branco do Sul ocorrido na madrugada de quarta-feira (18) e em outros seis bancos, além da tentativa de roubo de um carro forte na BR-376 próximo a Colônia Witmarsum, em Palmeira, nos Campos Gerais, em fevereiro deste ano.

Leia Mais »

Vade retro

O sobe e desce na política produz situações inusitadas. Uma delas é sentida por Requião, que hoje fez um comentário jocoso sobre mensagens de amizade, juras de amor eterno, pedido de inclusão na roda. Palavras de Requião:

“Foi ficar evidente que a minha posição é disparada a mais confortável nesta eleição para o Senado e que estou pronto para firmar uma aliança histórica com meu amigo Osmar Dias, que passei a receber mensagens de amizade e lealdade. Algumas surpreendentes, vindas de desafetos históricos. Vade retro, Satanás.”

Cida recebe o apoio do Pros e PMB

O Pros e o PMB confirmaram por aclamação o apoio à candidatura de Cida Borghetti (PP) ao Governo do Estado. As convenções reuniram neste sábado (21) em Curitiba mais de 600 lideranças entre prefeitos, vice-prefeitos, vereadores de todas as regiões do Estado. A governadora Cida Borghetti agradeceu o apoio e reafirmou o compromisso de continuar o trabalho voltado aos municípios e às pessoas.

“É uma grande honra ser a primeira mulher a governar o Paraná e ter a oportunidade de trabalhar por bandeiras que sempre defendi ao longo de toda minha trajetória política: a valorização da vida, priorização das politicas publicas de prevenção na saúde, o combate à corrupção, a defesa da mulher, da primeira infancia, adolescentes e também dos nosso idosos, mas sempre com um olhar muito focado, firme e forte para uma gestão pública eficiente, que atenda os interesses da sociedade”, disse.

Em 100 dias de Governo, Cida Borghetti visitou todas as regiões do Estado e garantiu mais de R$ 5 bilhões em investimentos em todas as cidades do Paraná. “Estamos com obras e ações nos 399 municípios do Estado. Investimentos que geram empregos, renda e mudam para melhor a vida dos paranaenses”.

Leia Mais »

De 3, Ratinho Jr tem que tirar 1 vice

Ratinho Jr é o candidato a governador. Dificil ainda é saber quem será seu vice e os candidatos ao Senado em sua chapa. Há uma briga de foice no escuro pela vice, o que é normal em qualquer candidatura com chances reais de vitória. Todos cobram acordos firmados.

Darci Piana, do PSD, empresário com carreira de gestor sindical no FECOMÉRCIO e no Sistema S, é o preferido da turma que ouve Eduardo Sciarra. Anacleto Ortigara, agora no PSD, ex-secretário da Agricultura, é o preferido da corrente interna que permanece fiel ao ex-governador Beto Richa, mesmo que este não componha a chapa. Seu líder maior é o presidente da Assembleia Ademar Traiano e reúne ex-secretários do governo Richa. E há Edson Campagnolo, presidente da FIEP, líder evangélico com trânsito amplo e que pode levar o PRB para a campanha de Ratinho. Ele tem o veto pesado de Traiano. Esperava ser anunciado vice na convenção de hoje e diante da postergação da escolha do vice, afastou-se do time de Ratinho Jr.

Para o Senado, a chapa de Ratinho Jr pode lançar uma única candidatura, a de Hidekazu Takayama, deputado federai do PSC. A outra vaga pode ficar aberta, o que daria a Takayama todo o tempo de TV do Senado e cumpriria um dos pontos de acordo branco com Beto Richa e o PSDB.

Ratinho Jr promete reduzir a máquina estatal

A primeira grande convenção de candidatos ao governo do Paraná aconteceu hoje e reuniu lideranças do PSD, PSC, PR, PV PRB, PHS, Avante e Podemos para oficializar o nome de Ratinho Jr. Cerca de 4 mil pessoas, 15o prefeitos e 25 deputados compareceram.

Ratinho Jr fez promessas de mudanças radicais que devem começar pela redução drástica da máquina estatal. “No nosso plano de governo vamos cortar 50% das secretarias do estado , priorizando os serviços e investindo em áreas prioritárias para a população, como saúde, educação, segurança e infraestrutura” afirmou Ratinho Junior.

E não deixou de homenagear seu pai, o apresentador Ratinho, e a família. “Meu pai deixou eu e minha mãe em Jandaia do Sul e veio tentar a vida na capital, depois de tantas idas e vindas e com muito trabalho e esforço o Paraná abençoou a nossa família, sou muito grato e por isso quero retribuir esse carinho, trabalhando por cada um dos paranaenses e transformando o nosso estado no melhor do Brasil” , destacou Ratinho Junior.

Osmar Dias acerta amanhã
os ponteiros com o MDB

As preliminares deram certo. Dos ritos propiciatórios falta apenas uma conversa de Osmar Dias com Requião marcada para amanhã. Só para olhar pesquisas internas e referendar as exigências do PMDB: a vice, uma vaga do Senado e coligação completa nas proporcionais.

Osmar Dias preocupa-se muito em passar a impressão de que é ele que conduz o processo. Por isso repete o mantra “tem que ser do meu jeito.” Dificil de aplicar essa em Requião, também acostumado a fazer tudo de seu jeito.

Requião segura o MDB
para Osmar até 4 de agosto

Requião disse hoje, 21, no início da Convenção do MDB do Paraná que a sua recandidatura ao Senado é uma “hipótese concreta.” Ou seja, é candidato a senador e não se fala mais em outras hipóteses. Quanto ao governo, o MDB vai esperar até o dia 4 de agosto, data da convenção do PDT, para definir a coligação com Osmar Dias. Requião quer aliança completa, incluindo as candidaturas proporcionais (deputado estadual e deputado federal). Se não houver coligação, o MDB lançará o deputado João Arruda candidato a governador.

“Nesta convenção, vamos discutir o esboço de uma chapa de candidatos a deputado e delegar para a executiva estadual o poder de decidir os caminhos do partido nas eleições nos próximos 14 dias. A executiva vai discutir as nossas propostas para o governo e a coligação como PDT de Osmar Dias. Hoje a minha candidatura ao Senado é uma hipótese concreta. Eu prefiro continuar o trabalho que faço como senador”, disse ele.

Enredos escabrosos

As convenções partidárias para escolher candidatos a presidente, governador, senador, deputados federais e estaduais já estão em curso. Mas o cidadão ainda está muito distante da política, o que torna tudo urgente e no cacete. As eleições deste ano prometem cenas e enredos mais escabrosos do que os das novelas da Globo, onde não faltam ladrões, assassinos, corruptos. Igualzinho ao noticiário político/policial. Em tempo curtíssimo, de enorme desinteresse dos eleitores pela política e pelos políticos, a guerra entre candidatos será de babuínos. Todos tentando enlamear o adversário com seu próprio excremento.

Nossa época continua uma choldra. Os fatos relevantes são os da polícia a prender corruptos, procuradores a acusar corruptos, juízes a julgar corruptos. A sensação é a de que a sociedade brasileira inteirinha deixou-se contaminar, que todas as instituições estão corroídas e que não há muito o que fazer a não ser torcer para que o próximo presidente da República, a ser eleito no final do ano, consiga colocar ordem na casa.

Richa se reúne com DEM e PSB para reavaliar aliança com Cida

Uma reunião neste domingo pode definir a disputa entre Beto Richa (PSDB) e Ricardo Barros (PP) sobre a chapa que disputará o Senado ao lado de Cida Borghetti (PP). Richa se reúne com os líderes do PSB e do DEM, principais partidos ligados a ele – para discutir se é ou não caso de tomar medidas mais drásticas caso seu pedido de ser candidato único na chapa não seja atendido. As informações são do Rogerio Galindo, na Gazeta do Povo.

Atualmente a chapa de Cida tem dois candidatos para o Senado. Além de Beto, o outro Alex Canziani, do PTB. Agora, porém, preocupado em ter mais tempo de tevê para se defender de ataques e construir sua imagem, Beto quer que Canziani saia a vice de Cida, ideia rejeitada tanto por Canziani quanto por Ricardo Barros.

Leia Mais »

Meirelles ataca adversários e diz que ‘tirou o Brasil da UTI’

Em novo vídeo da campanha, Meirelles não poupa seus adversários de críticas: cita Jair Bolsonaro, Marina Silva, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e até Dilma.

A peça pergunta o que os quatro candidatos à Presidência fizeram durante a crise econômica. Meirelles, então, diz que “matou no peito” e foi “tirar o Brasil da UTI” e “consertar os erros da Dilma”.

Confira:

O ‘timing’ do Centrão

BR18

Geraldo Alckmin vê ampliar seu tempo de TV após aliança com o Centrão, mas terá de arcar com as demandas nada republicanos do bloco, caso eleito. “Nas negociações estão a presidência da Câmara para Rodrigo Maia, o tradicional espaço para os partidos nos ministérios e na administração federal, além de reviravoltas nas campanhas para os governos estaduais e na montagem das chapas para o Senado”, analisa João Domingos, no Estadão.

Pente-Fino: INSS convoca para perícia 178 mil beneficiários

O “Diário Oficial da União” publicou nesta sexta-feira (20) edital do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que convoca para perícia médica 178,9 mil pessoas que recebem auxílio-doença ou aposentadoria por invalidez. Os exames integram o pente-fino nos benefícios por incapacidade pagos pelo governo federal.

Conforme o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), pasta a qual o INSS é vinculado, os convocados para a reavaliação médica, obrigatória por lei, devem agendar o exame até 13 de agosto pela Central de Atendimento da Previdência Social, no telefone 135. As informações são do G1.

Leia Mais »

Dias rebate ‘chupins da República’

Alvaro Dias não gostou nada de saber que houve comentários de dirigentes partidários no lançamento da chapa PSDB-DEM, em São Paulo, de que ele deveria estar “arrependido” de não ter levado adiante a ideia de ser vice de Geraldo Alckmin. O posto deve ser ocupado pelo empresário Josué Gomes.

“Só os que integram a seleção dos chupins da República podem imaginar que o arrependimento chegue a mim. São pequenos para entender que há os que pensam no Brasil e não aceitam mais esse balcão de negócios da nossa política”, disse o presidenciável. As informações são do BR18, no Estadão.

Gleisi: ‘Plano de governo do PT fala com o povo, e não com o mercado’

Ao falar sobre o programa de governo do PT para a campanha presidencial, a presidente nacional do partido, senadora Gleisi Hoffmann, afirmou nesta sexta-feira, 20, que os pontos do plano do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Lava Jato, conversam “com o povo”, e não com o mercado financeiro.

“O nosso pressuposto é sempre ter responsabilidade fiscal com responsabilidade social. Nós já governamos o País. Todo mundo sabe como trabalhamos as contas públicas e nós temos que falar com o povo, e não com o mercado”, disse Gleisi.

Na área econômica, o plano propõe intensificar a oferta de “crédito barato” a famílias e empresas, fazer uma reforma tributária que promova justiça fiscal e revogar as medidas do governo Michel Temer, como as mudanças legislativas e as privatizações. As informações são do Estadão Conteúdo.

Leia Mais »

Todos iguais perante a Lava Jato

O gato é peludo e o cachorro também; o gato tem quatro patas e um rabo, o cachorro também tem; o gato e o cachorro têm uma cabeça com dentes e orelhas, mas o gato mia e o cachorro late. Conclusão: o cachorro é um gato relativo. Este raciocínio corre solto em desvãos do poder para ilustrar a parecença entre políticos de todos os partidos e cataduras, hoje muito iguais na tremedeira perante a Lei, ou melhor, perante a Lava Jato e o juiz Sergio Moro.

Nosso século das sombras

Octavio Paz, que considero o mais eminente intelectual desta parte do mundo, costumava dizer que um dos piores males da América Latina é que não tivemos, aqui, século XVIII. No tempo em que aconteciam as Revoluções Americana e Francesa e se fundava o chamado mundo moderno, em pleno século das Luzes, éramos governados por D. Maria a Louca e esquartejávamos Tiradentes.

É verdade que nos 250 anos seguintes, progredimos. Hoje, mesmo nas horas mais escuras do mais pesado arbítrio (como o Estado Novo e o regime fardado de 64), nenhum governante brasileiro ousou esquartejar um inconfidente, ao menos em público. Só os Esquadrões da Morte ainda fazem isso.

Progredimos, mas não o suficiente para apagar as marcas de um passado escravocrata, de raízes fundadas na violência e no arbítrio. Não superamos a praga que é a concepção de que o Estado é o senhor da razão e protetor permanente dos privilégios distribuídos por uma casta dirigente cujos princípios morais se revelam agora na investigação que levou à descoberta do maior sistema de corrupção já construído no Ocidente. A relação espúria entre o Estado e a iniciativa privada nos legou uma Nação em que o assalto ao dinheiro público, da forma mais ordinária que se possa imaginar, é o que faz funcionar as nossas instituições capengas que servem fundamentalmente para reproduzir o mesmo sistema de poder e corrupção.

Leia Mais »

Osmar liga para Requião e marca conversa para domingo

Ora,pois, Osmar Dias ligou para Requião e propôs conversa final no domingo. Pesquisas na mão, conversa clara, sem tropeços, propõe Requião. Tudo bem, diz Osmar, que titubeou sobre essa aliança que é reprovada por uma boa parcela de seu time, a começar pelo guru Augustinho Zucchi, que prefere entendimento com o PSDB de Beto Richa.

Mas diante das circunstância e do adiantado da hora, Osmar Dias percebeu que a melhor opção política para ele será uma aliança com Requião. Um obstáculo já foi removido. Maurício Requião, irmão de Roberto, não pode ser candidato. Ele não se desincompatibilizou da função de professor da UFPR.

João Arruda foi cogitado para ser vice de Osmar Dias, mas não quer. Será candidato a deputado federal. De sorte que se houver entendimento com Osmar Dias, o PMDB terá que escolher outro nome.

Requião terá que acalmar os ânimos de uma ala crescente no PMDB que se impacienta com a demora de Osmar Dias em decidir. São prefeitos, ex-prefeitos, vereadores, lideranças em todo o Paraná que gostariam da chapa pura, porque não acreditam que serão bem tratados no governo de Osmar Dias. Por aí vai. Mas Requião, suserano absoluto em seu feudo, deve enquadrar facilmente toda a tigrada.

Ala do MDB quer João Arruda candidato ao governo

Uma ala do MDB do Paraná planeja colocar na convenção estadual o nome do deputado federal João Arruda como candidato ao governo do estado. A articulação não parte do próprio deputado, mas sim de prefeitos, ex-prefeitos e lideranças do interior, que perderam a paciência com Osmar Dias. Não se sentem prestigiadas ou que não foram chamadas a conversar pelo candidato do PDT, Osmar Dias.

“Infelizmente o Osmar está cercado de apoiadores que, ou não desejam o apoio do MDB, ou tem uma visão muito arcaica sobre o estado. O João é hoje a liderança jovem com grande poder de articulação e destaque em Brasília. É o nome a dar uma guinada no partido no estado”, relata um prefeito da RMC.

A convenção que decide os rumos do partido acontece neste sábado (21), a partir das 9h, na sede histórica do partido, na Rua Vicente Machado em Curitiba.